Observatório de Cibersegurança: portugueses receiam roubo de identidade, fraude bancária e pornografia infantil

Quase três quartos (73%) dos portugueses dizem que já evitam revelar dados pessoais na Web. Só três por cento da população se classifica como bem informada quanto às ciberameaças.

portugueses receiam roubo de identidade, Observatório de Cibersegurança, ciberameaças

O Observatório de Cibersegurança acaba de anunciar a publicação da edição de 2019 do Relatório Cibersegurança em Portugal – Linha de Observação Sociedade, que pretende revelar como é que os portugueses encaram as ameaças vindas da Internet. Segundo o Observatório, que é gerido pelo Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS), os crimes que os portugueses mais receiam na Internet são o roubo de identidade, a fraude bancária e a pornografia infantil, com 75%, 78% e 85% das respostas.

O relatório revela ainda que 49% dos inquiridos admitem preocupação com a segurança dos dados pessoais, e quase três quartos (73%) dizem mesmo que já evitam revelar dados pessoais na Web. Em sentido contrário, seguem os pagamentos na Net: em 2018, 47% dos inquiridos revelavam preocupação com as ferramentas digitais na hora de fazer um pagamento eletrónico, mas hoje esse tipo de preocupação só incide sobre 38% da população.

«Uma das maiores preocupações diz respeito ao software malicioso, em relação ao qual 75% mostram estar, o que se traduz num aumento de 4% em relação a 2017», acrescenta ainda um comunicado do CNCS, que recorda que este é o primeiro relatório setorial publicado pelo Observatório.

O relatório apurou que apenas três por cento dos inquiridos se dizem bem informados quanto às ciberameaças, mas há 52% que se dizem pouco informados sobre a matéria. O que também poderá ajudar a explicar algumas diferenças nos comportamentos dos portugueses e dos europeus.

«Comparativamente com a UE, no que toca à mudança de comportamento por causa de preocupações com a cibersegurança, os portugueses têm menos cuidados com o uso de palavras-passe. De acordo com os dados divulgados, 13% (29% na UE) dos inquiridos utilizaram diferentes palavras-passe para diferentes websites, 12% (27% na UE) optam por palavras-passe mais complexas que no passado e 16% (21% na UE) mudaram a palavra-passe regularmente», acrescenta o comunicado do CNCS.

O relatório agora publicado tem por ponto de partida o Eurobarómetro Europeans’ Attitudes Towards Internet, que permitiu trabalhar um total de 1007 entrevistas presenciais a cidadãos portugueses. A esta informação, juntam-se várias compilações estatísticas da Comissão Europeia, do Eurostat, e do Ministério da Educação.

 

Formação Relacionada

portugueses receiam roubo de identidade, Observatório de Cibersegurança, ciberameaças

Séneca, Hugo(2020) Observatório de Cibersegurança: portugueses receiam roubo de identidade, fraude bancária e pornografia infantil. Recuperado a 17 de Janeiro de 2020 em http://exameinformatica.sapo.pt/noticias/internet/2020-01-06-Observatorio-de-Ciberseguranca-portugueses-receiam-roubo-de-identidade-fraude-bancaria-e-pornografia-infantil