Hackers que atacaram os Jogos Olímpicos estão de volta

O grupo de hackers que sabotou os Jogos Olímpicos de Inverno, em fevereiro, está de volta ao ativo. Desta vez, os alvos são diversificados, desde instituições financeiras na Rússia a laboratórios de prevenção em França, Suíça ou Holanda.
Hackers

nvestigadores da Kaspersky Labs revelam ter encontrado documentos e vestígios de ataques de malware direcionados a instituições financeiras russas e laboratórios de prevenção de ataques químicos e biológicos em França, Suíça e Holanda. Os ataques visam recolher informações sobre as máquinas infetadas e sobre as redes destas organizações. Tudo indica que o objetivo dos hackers é reunir estes dados para preparar novas campanhas de sabotagem, uma estratégia usada também durante os Jogos Olímpicos de Inverno.

«É importante que todas as empresas de investigação e de prevenção de ameaças bioquímicas na Europa reforcem a sua segurança e implementem auditorias de segurança fora dos ciclos habituais», recomenda a Kaspersky, citada pelo ArsTechnica.

O grupo responsável pelos ataques não é identificado, mas há indícios de que possa ter ligações com agências de espionagem russas. Outros estudos indicam que os atacantes dos Jogos Olímpicos possam ter estar conotados com o regime norte-coreano.

«A variedade de alvos financeiros e não-financeiros parece indicar que o mesmo malware possa estar a ser usado por vários grupos com diferentes interesses – i.e., um grupo principalmente interessado em ganhos financeiros através de ciber-roubos e outros grupos interessados em alvos para espionagem», alerta o estudo da Kaspersky Labs.

Formação Relacionada

Hackers

(2018). Hackers que atacaram os Jogos Olímpicos estão de volta. Recuperado a 26 de Julho 2018, de http://exameinformatica.sapo.pt/noticias/mercados/2018-06-20-Hackers-que-atacaram-os-Jogos-Olimpicos-estao-de-volta