Cibercrime

Pela primeira vez o risco cibernético é uma ameaça para as empresas portuguesas, de acordo com um estudo recente da Aon. Ao mesmo tempo, há menos preparação para lidar com o cibercrime a nível global.

>Cibercrime na lista de principais riscos para as empresas

O risco cibernético integrou a lista das cinco principais ameaças para as empresas em Portugal, em 2019. De acordo com um estudo recente da Aon, uma corretora de seguros, esta é a primeira vez que o cibercrime é um dos riscos para os empresários portugueses.

Já a nível global, foi registado um nível mais baixo de preparação para lidar com o cibercrime. O mesmo estudo alerta as empresas, por isso, para a necessidade de adotarem medidas “com o objetivo de mitigar essas ameaças e proteger as organizações”. Anabela Araújo, diretora de sinistros da Aon Portugal, considera mesmo que “algumas empresas ainda não entendem completamente o impacto que um ataque cibernético pode ter na sua atividade”.

Até porque, um novo relatório divulgado esta quarta-feira pela Aon prevê que as perdas decorrentes de ciberataques deverão atingir o valor mais elevado de sempre até 2021, globalmente: seis triliões de dólares. O mesmo relatório, intitulado “Prepare for the expected: safeguarding value in the era of cyber risk”, considera que estas perdas são “graves” e “imediatas”, não só devido à diminuição de receita “resultante da interrupção da sua atividade”, mas também aos “custos processuais deste tipo de incidentes, de multas regulatórias, que aumentaram após a implementação do Regulamento Geral de Proteção de Dados”.

Mas os custos financeiros não são os únicos que uma empresa pode ter. O relatório indica também como preocupante o dano, prolongado no tempo, causado à reputação das empresas em causa, relevando mais uma vez a necessidade de uma “estratégia eficaz”.

A crise de reputação resultante de um ciberataque pode comprometer o valor de mercado de uma empresa, destruir a lealdade à marca, limitar os esforços de transformação digital e até levar a uma diminuição do rating de crédito”, refere também Anabela Araújo.

Já o investimento das empresas em segurança cibernética irá ultrapassar o valor de um trilião de dólares acumulados nos cinco anos anteriores a 2021, segundo prevê ainda o relatório — um valor muito inferior àquele que prevê ser o das perdas até 2021.

Formação Relacionada

Cibercrime na lista de principais riscos para as empresas

Branco, Carolina (2019) Cibercrime na lista de principais riscos para as empresas em Portugal, pela primeira vez. Recuperado a 11 de Outubro de 2019, https://observador.pt/2019/09/11/cibercrime-na-lista-de-principais-riscos-para-as-empresas-em-portugal-pela-primeira-vez/