Ataques de agentes estatais entre as maiores ameaças de cibersegurança para Portugal

Relatório revela ainda que 27% dos portugueses sofreram incidentes de segurança no uso da internet para fins pessoais e 8% das empresas também sofreram ataques durante o ano de 2019

ameaças de cibersegurança,ciberameaças

O Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) coloca os ataques de agentes estatais, isto é, ligados diretamente a órgãos, representações, forças armadas ou serviços de informações de outros países, entre as ciberameaças de maior risco para Portugal durante o ano de 2020. “Os agentes estatais, de modo ainda mais transversal, recorrem a todas as ciberameaças identificadas e, portanto, também às mais ameaçadoras no contexto português”, lê-se no Relatório da Linha de Observação Riscos e Conflitos de 2020, publicado nesta segunda-feira.

A ciberespionagem e exfiltração de informações de teor político, estratégico, militar, económico e operacional, são as principais formas de ataque levadas a cabo pelos agentes estatais. Além desta ameaça, os agentes classificados como cibercriminosos (com motivações económicas) e hacktivistas (com motivações ativistas) completam o top três das maiores ameaças de cibersegurança identificadas pelo CNCS.

“As principais vítimas destes três tipos de agentes de ameaças são os organismos do Estado; algumas empresas-chave com dados sensíveis; e os sistemas de controlo industrial, devido ao seu caráter crítico”, sublinha ainda o relatório, que salienta que as empresas de telecomunicações, o setor bancário e a área de governação da educação, ciência, tecnologia e ensino superior foram os mais afetados por ataques destas três tipologias de agentes no ano de 2019.

Phishing e malware são ameaças mais comuns
De acordo com dados do relatório, 27% dos portugueses sofreram incidentes de segurança no uso da internet para fins pessoais (contra 37% da média registada na União Europeia) e 8% das empresas (contra 13% da média europeia) também sofreram ataques, durante o ano de 2019. Os ataques por phishing e malware foram, respetivamente, as ameaças mais vezes identificadas pelo CERT.PT – em 31% e 16% dos casos, respetivamente – e também pela rede nacional de equipas de resposta a incidentes de segurança informática (RNCSIRT) – ambos a representarem 13% de todos os ataques identificados.

Ainda segundo o mesmo relatório, o número de incidentes de segurança informática reportados ao CERT.PT aumentou 26%, entre 2018 e 2019, enquanto o número de vulnerabilidades identificadas disparou 139%.

O CNCS salienta ainda que o grande número de ataques associados à pandemia provocada pela Covid-19 vai interferir com as previsões e tendências para os anos de 2020 e 2021. De acordo com valores da empresa de segurança informática Checkpoint, Portugal chegou a registar um pico de 200 mil tentativas de ataques informáticos numa única semana, no final de abril.

Formação Relacionada

ameaças de cibersegurança,ciberameaças

Ferreira, Rui da Rocha (2020) Ataques de agentes estatais entre as maiores ameaças de cibersegurança para Portugal. Recuperado a 22 de Junho de 2020 em https://visao.sapo.pt/exameinformatica/noticias-ei/mercados/2020-06-16-ataques-agentes-estatais-relatorio-centro-nacional-ciberseguranca-2020/