5 ameaças emergentes na protecção de dados pessoais

A “recolha” de impressões digitais através de fotos e partilha de informação geneologia são potenciais focos de problemas.
segurança, privacidade, protecção de dados pessoais

Cinco formas de obter dados ou informação pessoal estão a emergir como fortes ameaças à protecção de dados. A capacidade de obtenção de impressões pessoais a partir de fotos, assim como a publicação de informações por vingança estão a ganhar importância.

Roubo de impressões digitais

As impressões digitais podem ser roubados através de fotografias confirmam investigadores do Instituto Nacional de Informática do Japão. É possível fazê-lo através de processos de recolha e recriação, cujo resultado consegue contornar sistemas de segurança biométricos.

As câmaras de smartphones de alta gama têm tal alta resolução que são capazes de copiar as linhas e sulcos das nossas impressões digitais. A capacidade constitui uma ameaça particular no país asiático , porque o sinal “V” ou o sinal da paz é um gesto comum ao tirar uma foto.

No entanto, para o roubo ser possível, os dedos devem estar focados, a iluminação tem de ser perfeita e a distância da câmara deve ser de cerca de 2,7 metros, face ao objecto.

 

Publicação de dados para humilhação

O “doxing” é prática cada vez mais frequente e consiste em expor informações pessoais de alguém na Internet. O conteúdo pode incluir imagens privadas, números de telefone pessoais, morada e endereços de email, etc.

As informações acabam por ser muito fáceis de encontrar na Internet. Recentemente verificou-se um caso particular na rede social Reddit, a qual eliminou dois grupos de extrema direita porque violavam as condições de uso repetidamente.

 

Sites de genealogia como fonte

Um site Family Tree Agora oferece gratuitamente informações sobre ligações familiares entre indivíduos, bastando introduzir informações como o nome de uma pessoa e seu estado civil. Uma página de Internet surge com os nomes dos outros membros da família, juntamente com as suas idades e moradas actuais e até anteriores.

Alguns sites de pesquisa de informação sobre pessoas recorre a engenharia social para obter informações do utilizador, em vez de oferecê-la. Por exemplo, o website TruthFinder faz perguntas durante todo o processo argumentando que as respostas vão ajudar o utilizador a obter melhores dados.

 

Apps que partilham dados com servidores

A aplicação móvel chinesa chamada Meitu transforma o rosto de uma pessoa numa imagem de desenho animado, de forma caricatural e adiciona efeitos visuais. Mas ao mesmo tempo envia todo o tipo de informação para a China, tal como a de localização, o endereço IP e o número IMEI dos dispositivos dos utilizadores. A empresa alega que que só usa essas informações para melhorar a aplicação.

 

Aplicações de falsa segurança

Uma das melhores maneiras de proteger a privacidade online é usar uma Virtual Private Network (VPN) ou rede privada virtual. Em teoria, as VPN permitem usar a Internet pública como se fosse uma rede privada, permitindo esconder cifrar a actividade online.

No entanto, um estudo realizado pela Universidade de Gales do Sul, na Austrália, diz que um número alarmante (38%) de serviços de VPN oferecidos através de aplicações Android violar a privacidade em vez de a proteger. Estão infectadas por malware. Cerca de 18 % não usam cifra criptografia e 75% monitoriza a actividade do utilizador.

 

 

Formação Relacionada

segurança, privacidade, protecção de dados pessoais

(2017). 5 ameaças emergentes na protecção de dados pessoais. Computer World. Recuperado a 20 Fevereiro 2017, de http://www.computerworld.com.pt/2017/02/06/5-ameacas-emergentes-na-proteccao-de-dados/